Quem vai às ruas nas manifestações pró-impeachment?

No próximo domingo 13 de março está marcada outra manifestação pró-impeachment da Presidenta Dilma Rousseff. Milhões de pessoas prometem ocupar as ruas do Brasil, se não chover, claro. Quem são essas pessoas que vão nas manifestações pró-impeachment? Alguns manifestantes são, digamos, ilustres.

Alexandre Frota na manifestação

O estuprador desfila na Avenida Paulista

Representante da “classe artística de bem”, o ator Alexandre Frota é uma das figurinhas certas nas manifestações. Ele é contra a corrupção, entretanto, declarou no programa “Agora É Tarde” da TV Bandeirantes que estuprou uma mãe de santo até ela desmaiar. Rafinha Bastos, apresentador do programa, e toda a platéia adoram o comentário, aplaudindo e rindo da história do estuprador.

Fora Magrit

A corrupção seletiva de Magrit Dutra

Outro exemplo é o senador Agripino Maia (DEM), acusado de corrupção na construção da Arenas Dunas em Natal, Rio Grande do Norte. O deputado e presidente da Assembléia Legislativa de São Paulo (Alesp) Fernando Capez (PSDB) também luta pela corrupção enquanto é acusado de envolvimento com a Máfia da Merenda. Outra personagem certa é a funcionária Margrit Dutra do senador José Serra, irmã da jornalista Mirian Dutra, a qual teve um caso com Fernando Henrique Cardoso. Ela vai apenas uma vez por mês ao gabinete, bate ponto, volta para casa e recebe um salário de dar inveja.

Manifestantes pousam com torturador

Carlinhos Metralha e seus fãs na Avenida Paulista

Além de estupradores, políticos e funcionários corruptos, estas manifestações também contam com a presença de assassinos e torturadores. Carlos Alberto Augusto, apelidado Carlinhos Metralha, integrou entre 1970 e 1977 o Departamento de Ordem Política e Social (DOPS) comandado por Sérgio Paranhos Fleury, também torturador e principal articulador dos esquadrões da morte da década de 1970. Metralha, que circulava pelo departamento com uma metralhadora, é acusado de ter organizado o Massacre da Chácara São Bento e também torturou e matou vários militantes políticos.

É claro que os manifestantes não deixarão de levar seus serviçais às manifestações, elas são muito longas e cansativas. Entretanto, eles devem estar devidamente fardados para serem facilmente separados do resto da elite brasileira. Além disto, demonstrar seus servos em público sempre trouxe status, hábito não abandonado mesmo com o fim da escravidão. Empregadas domésticas devem bater as panelas para que a patroa não se canse, enquanto que as babás devem cuidar, distrair e carregar as crianças durante todo o ato, salvo quando a família for tirar uma selfie. Neste momento ela precisa se deslocar para não estragar a foto.

Peladona da Paulista manifestações pró-impeachment

Musa do Impeachment

Também não pode faltar a sub-celebridade “Musa do Impeachment” Juliana (Ju) Isen, a qual desde de 2015 costuma ficar seminua nas manifestações como forma de protesto. A empresária do ramo de fitness aproveitou a atenção e resolveu diversificar sua atuação profissional, ela pousou nua para a Revista Sexy, participou de ensaios da Revista Ego e faz shows de strip-tease. Ela foi uma das poucas que conseguiu resumir as manifestações em uma frase: “Ser de direita é não gostar do PT”.

Finalmente, os “nazistas” brasileiros e sujeitos a favor da uma nova “intervenção militar” também estarão segurando suas faixas com palavras de ordem e frases saudosista. Eram tão bom aqueles tempos que se podia caçar e matar comunistas. Gostou de quem você vai encontrar?

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *