E o tema de redação do Enem é: não ajudar em causas sociais e criticar quem o faz

Uma das coisas mais cansativas em debates sobre o tema da redação do Enem foi a constante tentativa (de diversas formas) de relativizar a importância dele. É gente em excesso que não entende a ideia de que apoiar uma causa social não necessariamente anula outra; o que tem gerado uma série de acusações infundadas, e consequentemente, discussões quase vazias.
Ok, há violência doméstica contra homens sim, e por mais que os números de incidências não sejam tão grandes quanto em relação aos de práticas contra a mulher, são importantes sim! O problema tem sido a abordagem dele. Inclusive, os mesmos que reclamam que o assunto não é visado só parecem lembrar dele quando aparece a causa feminina a ser defendida. Temos nesses dois casos a possibilidade de serem complementares, se vistos sob a ótica de tentar conter a violência em suas inúmeras nuances.
Outra referência é a do alistamento militar obrigatório masculino. Por que tanto discurso em pró da obrigatoriedade feminina ao invés de procurar a anulação dela para os homens então?
Sequer é necessário tentar mencionar todos os argumentos distorcidos vistos por aí devido a imensa quantidade (e o que nesse caso englobou apenas pesquisa dos vistos da rede social Facebook), mas destilada a ideia da maioria, pode-se concluir: Se eu tenho um projeto em pró da Educação com objetivo de preparação para concursos, nada te impede de preparar um para alfabetização de crianças que moram em periferia, ou adultos que querem dar continuidade aos estudos. Ou salvar os golfinhos, o que for! Apenas tenha foco e faça. Garanto que mesmo a menor das etapas de um projeto social efetivo é mais produtiva do que ficar fazendo críticas sem base aos que estão tentando outro.

Obs.: E todos aqueles que não apoiaram a aprovação do casamento lgbt por causa da fome na África, já fizeram suas doações esse mês?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *